Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
4





                                              

                            

 

 

 


Com Amor, Van Gogh, de Dorota Kobiela e H.Welchman
Com Amor, Van Gogh, de Dorota Kobiela e H.Welchman

COM AS TINTAS DE VAN GOGH

 

Filme recria vida do pintor com banquete visual de animações que simulam seus quadros.

 

Por Cássio Starling Carlos

Folhapress

 

A ideia de recriar momentos da vida de Vincent Van Gogh (1853-1890) por meio de animações que simulam quadros do artista holandês é um daqueles projetos que geral dois tipos mistos de reação. A primeira vem na pergunta: por que ninguém pensou nisso antes? A segunda é: será que isso pode dar certo?

 

COM AMOR, VAN GOGH, projeto que reúne as habilidades como animadores da polonesa Dorota Kobiela e do britânico Hugh Welchman, regentes de um batalhão de 150 artistas, tem tudo para atrair o público que se satisfaz com banquetes visuais.

 

Durante 95 minutos, o longa põe em movimento o estilo nervoso das pinceladas de Van Gogh em imagens que reconstituem a obra arquiconhecida do pintor.

 

O efeito, tecnicamente impactante, intensifica o prazer imediato de reconhecer dezenas de telas transformadas em cenários e ações e de ver personagens e temas de Van Gogh ganharem “vida” por meio do movimento cinemático que caracteriza o próprio cinema.

 

Esse tipo de satisfação sensorial, porém, costuma se esgotar rapidamente, perdendo-se no acúmulo e pedindo outros modos capazes de manter nossa atenção.


A ideia dos realizadores foi sustentar o fluxo visual com uma trama que mistura informações factuais da biografia do artista e uma investigação acerta da tentativa de suicídio que culminou na morte dele, em 1890, aos 37 anos.

 

O passado traumático de Van Gogh, anterior ao seu trabalho como artista, ressurge em flashbacks em preto e branco, assim como a evocação de fatos feita por personagens que ele retratou, como o dr. Paul Gachet e o comerciante de tintas Julien Tanguy.

 

Já a exuberante cromática dos quadros reaparece ao longo de toda a investigação que o jovem Armand Roulin faz para decifrar o fim trágico do artista.

 

O artifício narrativo, no entanto, acaba se revelando como nada mais que uma muleta, pois o roteiro não decide se segue o rumo da cinebiografia tradicional ou se investe na reinvenção dos fatos.

 

Essa fragilidade, contudo, não deve incomodar os que vão se embriagar com a intensidade sensorial do filme e não se preocupar se, além disso, ele oferece alguma consistência.

 

TRAILER: https://www.youtube.com/watch?v=3tslxWf9t5w

 

 

Fonte: Zero Hora/Segundo Caderno em 01/12/2017