Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                              

                            

 

 

 


A Tecnologia é Má?
A Tecnologia é Má?

A TECNOLOGIA É MÁ?

 

A conectividade é útil para o entretenimento, mas pode causar dependência e não contempla as formas mais profundas de consciência.

 

Pouco tempo atrás, a tecnologia era a indústria mais legal. Todos queriam trabalhar no Google, no Facebook e na Apple. No último ano, essa atitude mudou. Agora, há quem acredite que a tecnologia seja semelhante à indústria do tabaco – corporações que ganham milhões de dólares impulsionando um vício destrutivo. E há quem acredite que seja como a NFL, a liga nacional de futebol americano: milhares de pessoas adoram, mas todos sabem os estragos que causa às pessoas. Obviamente, o pessoal da tecnologia – que geralmente procura melhorar o mundo – não quer seguir esse caminho. Será interessante observar se irá tomar as atitudes necessárias para impedir que suas empresas se transformem em párias sociais.

 

Há três críticas primordiais às grandes companhias de tecnologia. A primeira é que ela está destruindo a juventude. As redes sociais prometem acabar com a solidão, mas, na verdade, promovem o aumento do isolamento e uma intensa sensação de exclusão social. Mensagens de texto e outras tecnologias lhe dão mais poder sobre sua interação social, mas também levam a interações mais frágeis e menos engajamento com o mundo real. Como escreveu a psicóloga Jean Twenge, desde a popularização dos smartphones, os adolescentes estão menos propensos a sair com os amigos, a namorar e a trabalhar.

 

Alunos do oitavo ano do Ensino Fundamental que passam 10 horas ou mais em redes sociais têm 56% mais tendência a dizer que são infelizes do que os que passam menos tempo. Esses alunos que são usuários constantes de redes sociais têm um risco 27% maior de desenvolver depressão. Adolescentes que passam três horas ou mais em aparelhos eletrônicos são 35% mais propensos a exibir um comportamento suicida, criando, por exemplo, um plano para se suicidar. Meninas são especialmente afetadas, com um aumento de 50% nos sintomas de depressão.

 

A segunda crítica a essa indústria da depressão é que ela está viciado as pessoas de propósito parra ganhar dinheiro. As empresas de tecnologia sabem o que causa surtos de dopamina no cérebro e mostram seus produtos com “técnicas de sequestro” que nos atraem e criam “laços de compulsão”.

 

O Snapchat tem o Snapstreak, que recompensa amigos que trocam snaps todos os dias, encorajando assim o comportamento viciante. Feeds de notícias são estruturados como poços sem fundo, nos quais uma página leva a outra, e a outra, e assim por diante, sem fim. A maioria das redes sociais cria recompensas dadas em intervalos irregulares de tempo; você precisa checar seu aparelho compulsivamente porque nunca sabe quando haverá uma explosão de afirmação social gerada pelas curtidas do Facebook.

 

A terceira crítica é que Apple, Amazon, Google e Facebook são quase monopólios que usam seu poder de mercado para invadir as vidas privadas de seus usuários e impor condições desleais a criadores de conteúdo e concorrentes menores. O ataque político nessa frente está ganhando força.

 

Obviamente, a jogada inteligente seria a indústria da tecnologia sair na frente e limpar sua própria poluição. Há ativistas como Tristan Harris, do Time Well Spent (“tempo bem gasto”, em tradução literal), que está tentando levar o mundo da tecnologia para a direção certa. Há também algumas boas respostas de engenharia. Eu uso um aplicativo chamado Moment, que rastreia e controla meu uso do telefone.

 

O grande avanço chegará quando os executivos de tecnologia reconhecerem claramente a verdade central: seus produtos são extremamente úteis para as tarefas e lazer que exigem formas de consciência mais superficiais, mas muitas vezes dominam e destroem as formas mais profundas de consciência – das quais as pessoas necessitam para prosperar.

 

O mundo online é um lugar para o contato humano, mas não para a intimidade. É um lugar de informação, não de reflexão. Fornece o primeiro pensamento estereotipado sobre algo ou alguém, mas é difícil criar o tempo e o espaço para o 3º, o 15º e o 43º pensamentos.

 

O mundo online é um lugar para a exploração, mas desencoraja a coesão. Ele assume o controle de sua atenção e a dispersa por uma vasta gama de entretenimento. Porém, nos sentimos mais felizes quando levamos nossas vidas com uma meta, quando focamos a atenção e a vontade em uma coisa, com todas as nossas forças.

 

O rabino Abraham Joshua Heschel escreveu que fazemos uma pausa das distrações do mundo não como um descanso que nos dá mais força para voltar, mas como o clímax da vida. “O sétimo dia é um palácio no tempo que construímos. É feito de alma, alegria e reticência”, disse ele. Ao diminuirmos a quantidade de trabalho e o uso da tecnologia, entramos em um estado de consciência diferente, uma dimensão do tempo e uma atmosfera diferentes, uma mina na qual o metal precioso do espírito pode ser encontrado.

 

Imagine se, ao invés de reivindicar o papel de nos oferecer as boas coisas da vida, a tecnologia se visse como fornecedor de dispositivos eficientes. Suas inovações podem nos poupar tempo em tarefas de nível inferior para que possamos ficar offline e experimentar o que a vida nos dá de melhor. Imagine se a tecnologia se propusesse a fazer isso. Esse seria um show de humildade, que, hoje em dia, é a tecnologia de ponta mais problemática.

 

Fonte: ZeroHora/doc/David Brooks/Colunista de política e ciências sociais do Jornal The New York Times em 10/12/2017.